21 de set de 2011

Dez, vinte, trinta pessoas. Alvoroço ao seu redor. Silêncio em seu coração. Ninguém pra conversar, compreender ou desabafar. Escuro triste. Lágrimas. Uma pequena faísca de esperança brilha, e logo é obrigada a se esvair dentre incompreensões e ignorâncias. Grito da alma por paz. Redenção. Onde está a calmaria? Tristeza e solidão. Seu corpo está aqui. Você não está. Nunca esteve.
Dez, vinte, trinta pessoas. Estar em meio a maior das multidões não significa ter companhia.

2 comentários:

Meus devaneios, você já leu... agora é sua vez de devanear :)