18 de nov de 2011

Conforto

A vida é mesmo engraçada. Hoje, enquanto estava na universidade, um pensamento interessante me cativou por toda a tarde.  Observei por horas o quanto as pessoas prezam por serem percebidas. É como se estar no centro das atenções fosse o momento mais confortável de suas vidas. Sei lá. Talvez seja bobagem minha ficar pensando nessas coisas, até mesmo porque, quem não gosta de ser notado? Mesmo assim, no meu caso, acredito que o lugar onde eu melhor posso ficar confortável é dentro de mim mesma. Com meus pensamentos, minhas idéias, meus planos e sentimentos. Se eu souber como remanejá-los e administrá-los, creio que meu próprio corpo será meu conforto. Não que eu precise viver no escuro sem ninguém saber minha existência. Não é isso. É que, às vezes, o anonimato nos permite visibilidade interior. E isso sim é bom. Diga-se de passagem, muito bom.
Não sei se você vai conseguir construir algum pensamento baseado no que eu acabei de escrever mas, sei lá, a vida é mesmo engraçada.

17 de nov de 2011

Be perfect

Perfection. Every day we see on TV the world's most beautiful models, the highest-paid actors and film people who are richer. We say that they're perfect. That their lives are perfect. Maybe yes, maybe not. We'll never know. Perfection isn't out there. Not in expensive clothes, the makeup and money. I believe that perfection, if it really exists, is within each one of us. Every minute we can be perfect. With a smile, a hug, a caress. Perfection is related to who you are, not what you have.

8 de nov de 2011

É questão de senso do ridículo

Não tenho muita coisa a dizer, até mesmo devido aos inúmeros compromissos que estou tendo e terei pelos próximos meses. Entretanto, acontecimentos hoje me trouxeram até aqui para um simples porém sincero desabafo: Tem gente que precisa URGENTEMENTE de senso do ridículo, pois o que você faz achando que tá "arrasando" pode ser a sua sentença de mediocridade pública. Sem mais.